De Volta à Cidade

Por: Vicente Loureiro

Antes da pandemia, era hábito para mais de um milhão de pessoas ir à cidade quase todos os dias. Não só os provenientes do próprio Rio, mas também de todos os municípios da região metropolitana e alguns até do interior. A maioria por motivo de trabalho ou a caça de alguma renda. Nos últimos tempos, porém, um contingente cada vez maior vinha a ele se dirigindo em busca de muitas de suas sortidas ofertas de serviços e atrações comerciais, turísticas, culturais e, claro, de educação, saúde e lazer, entre outras.

Curioso esse costume de décadas da população dessa metrópole ao dizer “vou à cidade” ou “trabalho na cidade”, referindo-se a área central da cidade mãe da região. Quando os deslocamentos são dirigidos aos centros das outras cidades, essas mesmas pessoas utilizam expressões tipo: “vou lá fora”, “vou ao calçadão” ou, até mesmo, “vou a Caxias ou a Nova Iguaçu”, como se já lá não estivessem. Ir à cidade passou a valer até mesmo para visitas esporádicas. Faz tempo o “coure” do Rio virou o centro de toda a região.

Avenida Presidente Vargas, altura da Praça Onze

Caso nítido de escolha voluntária sem nenhuma imposição legal ou burocrática e que conseguiu atravessar incólume a mudança da então capital federal para Brasília. Não dando, inclusive, muita bola para a fusão da Guanabara com o Estado do Rio, pois já era praticada econômica e socialmente em larga escala. A água vinha de lá para cá. O lixo ia daqui para lá. As compras eram feitas lá, mas as notas fiscais tiradas aqui.

Cidade de Nova Iguaçu

Indiferentes as tentativas e erros de se estabelecer governança sobre esse território em busca de mais justiça fiscal e distribuição mais equânime dos seus bens e serviços, os cariocas e fluminenses, juntos em sua sabedoria, cuidaram de dar nome próprio ao fenômeno, batizando desde então o centro metropolitano do Rio de Janeiro como sendo o das demais cidades da região.

Relógio da Central do Brasil visto do Campo de Santana

Infelizmente, a maior parte dos governadores, prefeitos e formadores de opinião insistiram, nesse tempo todo, em negar ou não querer ver fato tão claramente percebido por suas excelências os moradores e promotores desse viver metropolitano. Não aprenderam a lição. Ignoraram ou ainda ignoram essa realidade cristalina, resultante de um processo geográfico impossível de ser separar. Nem transformando, no limite do absurdo, o Rio de Janeiro em um principado e construindo muralhas em suas divisas, ele deixará de ser uma megacidade de 13 milhões de vidas, com metabolismo complexo, onde já faz tempo as pessoas não sabem direito de onde vem a água potável, qual o destino dado aos esgotos ou mesmo em que lugar pode estar a fonte de sustento ou o abrigo de sua família.

Largo da Carioca em 2014

Por essas e outras razões, o centro do Rio e os caminhos que levam a ele viraram ativos metropolitanos importantes, cujos destinos passaram a ser do interesse e responsabilidade de todos. Reinventá-los ou revivê-los, assim como deseja a prefeitura da cidade, merece apoio e participação de todos os níveis de governo, das empresas e da sociedade civil. Mesmo sabendo que os tempos são outros e ainda mais sombrios por conta dos estragos de uma nova crise econômica a castigar o país, agravada pelos impactos da pandemia, o centro do Rio pode nunca mais voltar a ser o mesmo. O que não quer dizer que não possa continuar exercendo esse magnetismo urbanístico para muito além de seus limites, incrivelmente renovável a cada dia. O relógio da central, um dos maiores do mundo com quatro faces e símbolo inconteste da vida metropolitano, precisa voltar a funcionar, marcando um novo tempo para região, onde a possiblidade de futuro ajude a aplacar o desejo de reinventar o passado.

*Vicente Loureiro, arquiteto e urbanista, é doutorando em urbanismo na Universidade de Lisboa e autor do Livro Prosa Urbana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Slide Limpeza de coifa de restaurantes, hotéis, bares, pousadas e churrascarias 3773-7290 96467-6207 CLIQUE AQUI E VEJA O NOSSO SITE: www.pefcoifaseexaustores.com.br Orçamento
Grátis
SOLICITE A VISITA DE UM TÉCNICO
Slide Conserto de fogões
industriais e comerciais
3773-7290 96467-6207 SOLICITE A VISITA DE UM TÉCNICO Orçamento
Grátis
Brastemp, Eletrolux, Continental, GE, Dako, Atlas e etc...

Slide Raffa's Refrigeração RESIDENCIAL E COMERCIAL 97631-9909 | 96814-7815 ACEITAMOS CARTÕES Ar-Condicionado em Geral (Manutenção)
Instalação do Split | Carga de Gás | Freezer | Geladeiras Balcão Frio | Conserto de Máquinas de Lavar
Slide Raffa's Refrigeração RESIDENCIAL E COMERCIAL 97631-9909 | 96814-7815 ACEITAMOS CARTÕES Ar-Condicionado em Geral (Manutenção)
Instalação do Split | Carga de Gás | Freezer | Geladeiras Balcão Frio | Conserto de Máquinas de Lavar

Slide Loja I - Rua Otávio Tárquino - 88 (em frente aos correios)
Loja II - Calçadão de Nova Iguaçu Galeria Iguassu - Loja 15 Nova Iguaçu
(ao lado do shopping multidão, antigo Shopping Vida)
Moda feminina Casual & festas
Slide Loja I - Rua Otávio Tárquino - 88 (em frente aos correios)
Loja II - Calçadão de Nova Iguaçu Galeria Iguassu - Loja 15 Nova Iguaçu
(ao lado do shopping multidão, antigo Shopping Vida)
Moda feminina Casual & festas
Menu